O Poeta Popular

Autor: Mauro Caramico

“El eterno
hilo en que se juntaron
pueblo
y
poesía,
nunca
se cortó
este profundo
hilo de piedra,
viene
desde tan lejos
como
la memoria
del hombre.”
(Oda a Los Poetas Populares).

Neruda nasceu Ricardo Eliezer Neftalí Reyes Basoalto, no inverno chileno de 1904. Para o século que se seguiu, e especialmente na América Latina, deixou marcas indeléveis: conciliou, como nenhum outro, poesia e política. Viveu para ambas, sempre indistintamente replique montre – fazia poesia política e persuadiu o mundo, com poesia.

Sua carreira inicial, de diplomata, levou-o à Espanha na época da Guerra Civil que, certamente, inflou sua veia marxista. Depois, replique Rolex Perpetual, chegou ao Senado e, mais tarde, teve que se evadir, perseguido por aqueles que antes apoiara e que, ao chegarem ao poder, mudaram de coloração política.

Dessas suas doridas separações do solo pátrio – que o levaram, também, à Birmânia, ao Ceilão, ao México, à França e à Itália - nasceu boa parte de sua obra poética, mesmo a produzida em terra alheia: nunca he dejado de leer la patria, nunca he separado los ojos del largo territorio.

Em 1954, maduro e já consagrado, no Chile, escreveu os poemas que, se não são os mais representativos de sua replique Rolex Perpetual, certamente estão entre os mais inusuais: as odas elementales, ou odes elementares, como se tem traduzido (muito embora pareça que elementais seria mais adequado, porque não evocam apenas simplicidade, mas sobretudo os elementos do universo físico). Nessas odes, vê-se com clareza o fio de pedra que, na obra de Neruda, une a arte poética à arte retórica e que resolve o dilema finalístico da arte: sem abandonar o conceito clássico, da ars gratia artis, Neruda conseguiu, especialmente nas odes elementais, dar-lhe sentido prático e imediato.

Cantou a alcachofra, a replique montre de luxe suisse, a bicicleta, as aves do Chile, a cebola, o sal… E sempre temperou com humor e sonoridade, seus ingredientes elementais, irremediavelmente políticos.

Os livros, por exemplo, Neruda os faz substituir os arados dos camponeses e os define como “dolores que entretejen/ la firmeza,/ acciones solidarias”. Um livro, é vitória.

As aves do Chile ou são carniceiras, ou são doces e pequenas criaturas. Seus ninhos constróem “la fragante unidad del territorio:/ vuestras vidas errantes/ son el pueblo del cielo”. Até as cebolas, Neruda as destina a reluzir, “constelación constante,/ redonda rosa de agua,/ sobre/ la mesa/ de las pobres gentes”.

A relação de Neruda com a poesia é confessa: “Yo te pedí que fueras/ utilitaria y util,/ como metal o harina,/ dispuesta a ser arado,/ herramienta,/ pan y vino,/ dispuesta, Poesía,/ a luchar cuerpo a cuerpo/ y a caer desangrándote”.

Tão entrelaçadas estavam, no coração de Neruda, a sua artéria poética e a sua veia política que, com o golpe que derrubou Allende, há trinta anos, também se foi, rapidamente, a sua saúde. E sucumbiu o poeta às cruezas da política.

Mesmo tendo sido o desgosto político o catalisador de sua morte, não é no explícito utilitarismo de seus versos, que se escondem as razões de ter Neruda sobrevivido a si mesmo, e ao século que já nos separa do seu nascimento. O segredo está na sempiterna e rítmica beleza que Neruda dá, por exemplo, à cotidiana farmácia: “Farmacia, iglesia/ de los desesperados,/ con un pequeño/ dios/ em cada píldora”.

Está, também, na translúcida poética da bicicleta: “pasaron/ junto a mí/ las bicicletas,/ los únicos/ réplique montres/ insectos/ de aquel/ minuto/ seco del verano,/ sigilosas,/ veloces,/ transparentes:/ me parecieron/ sólo/ movimientos del aire.” Está, até, na prosaica alcachofra, que advinha Che Guevara: “La alcachofa/ de tierno corazón/ se vestió de guerrero”.

O que faz Neruda único, não é que foi poeta extraordinário, na Latinamérica de tantos poetas comuns, nem que foi bom político, na Latinamérica de tantos maus políticos. É que soube dar, ao frágil momento utilitário da retórica política, a eternidade dourada da poesia. É que soube conter, em odes simples, toda a força dos elementos.

Voltar


Fone 55 11 3242-7644 - Rua Líbero Badaró, 377 - 21ºandar - cj. 2105 - São Paulo - SP